Google+ Followers

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Funcionário público protocola ‘denúncia’ a Jesus Cristo

Cansado de assistir a casos de corrupção na política sul-mato-grossense o funcionário público José Luiz de Oliveira, o “Zé do Itahum”, resolveu apelar para Jesus Cristo. Zé que é Bacharel em Direito elaborou uma petição endereçada a Jesus Cristo e protocolou em vários órgãos governamentais como forma de protesto a falta de ação da justiça como ela afirma no documento. “Excelentíssimo Senhor Jesus Cristo pai eterno e poderoso dos seres humanos que existem nesta terra”. Foi desta forma que José Luiz, que foi vereador em Dourados na década de 1990, se dirigiu a Jesus fazendo o que ele considerou uma “denúncia contra os poderes que existem no Brasil”. O funcionário público começa a petição dizendo que “é com muita relutância que venho perante o Filho do Senhor afirmar que a política tornou-se a arte de se prostituir”. Segundo Zé do Itahum, “virou-se prostituição e iniciou-se no Poder Executivo passando para o Legislativo e chegou ao Judiciário”. José Luiz pede a Jesus Cristo que “decrete uma nova lei no mundo em exclusividade no Brasil para que os políticos que cometem crimes de corrupção sejam eliminados da política e confiscados seus bens e doados a entidades e que sejam obrigados a doarem seus órgãos”. O autor do pedido diz que “conforme a Bíblia Sagrada todos os cidadãos são filhos de Deus e deverão ser respeitados para que possa viver em paz com suas famílias”. José Luiz termina a sua petição solicitando que Jesus Cristo tome as providencias necessárias conforme está escrito na Bíblia. No documento assinado pelo funcionário público está um amplo relato dos casos de corrupção em Mato Grosso do Sul e no Brasil e todos os prejuízos causados aos cofres públicos e a população. Entre os órgãos públicos que José Luiz de Oliveira protocolou a petição para Jesus Cristo constam o Tribunal de Contas, a Câmara Municipal de Campo Grande, Secretaria de Governo de Mato Grosso do Sul, Correios e Tribunais Regional Eleitoral e de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Como Tonzão de Os Hawaianos virou crente

A sede da Igreja Assembleia de Deus do Últimos Dias, em São João de Meriti, recebeu um público diferente na tarde de ontem. Quatro meninas chorosas fizeram plantão na entrada até serem recebidas por Tonzão, líder dos Hawaianos, que, desde o último sábado, largou o grupo e saiu de casa para se converter ao rebanho do pastor Marcos Pereira. — Eu não quero mais fazer show. Se Deus permitir, e os outros integrantes (do grupo) quiserem, vou lá para dar satisfação ao público, mas de terno e gravata — conta ele, que está morando na igreja para fazer uma espécie de tratamento. Desde janeiro, Tonzão vem frequentando as reuniões da Assembleia. Mas uma série de acontecimentos nos dois últimos meses o levaram a se converter. — Sempre me emocionava nos cultos. Vi moleques criados comigo na Cidade de Deus que matavam, roubavam, cheiravam e se prostituíam transformados. Gente que se você dissesse um ‘ai’ era capaz de matar estava vestida de terno e gravata no sol, servindo quentinha aos cracudos (usuários de crack) — conta ele, que ficou ainda mais impressionado ao participar de uma cerimônia religiosa no Monte Vida Renovada: — É um lugar sagrado na mata, onde a gente sobe para receber o Espírito Santo. Eu, de joelhos no chão, no escuro, vi a sarça acesa, a árvore ficou toda iluminada quando o pessoal começou a orar. Na ocasião, Tonzão, ou melhor, Everton Luiz da Silva Chagas, de 24 anos, diz que teve a revelação de que deixaria o grupo: www.MidiaGospel.Com.br.br / www.estudosgospel.com.br / www.centraldepregadores.com.br . — Um amigo me disse isso, mas relutei. Ganhava muito dinheiro, tinha mulheres aos meus pés. Mas esse pensamento vinha todo dia. Convulsão, batida de carro e conversão Na última quinta-feira, Tonzão estava em São Paulo e, na saída de uma balada, começou a se sentir mal. Ele diz ter bebido vodca com energético. — Fui hospitalizado e nenhum médico descobria o que eu tinha. Sentia arrepios, tontura, convulsão. Só melhorei quando falei com o pastor — conta ele. Pelo rádio, o pastor Marcos rezou o cantor. — Eu vi o espírito da morte com uma foice na mão saindo do corpo dele — garante o líder religioso. Ao chegar ao Rio, no sábado, Tonzão resolveu ir à igreja. No caminho, pela Avenida Brasil, perdeu o controle de seu carro, um Vectra, e foi parar na mureta. — Era como se alguém estivesse dirigindo meu carro. Senti que Deus estava me chamando. Poderia ter acontecido algo pior — diz o cantor, que, desde ontem, já estava dando seu testemunho em presídios.

Músico diz que Deus está morto e chama crentes de "pragas do Egito"

Em um artigo escrito pelo músico e compositor Zeca Baleiro e publicado no site da Revista IstoÉ, ele diz não acreditar em Deus e que evangélicos são como “pragas do Egito”. “Não creio em Deus. Pelo menos não da mesma forma que um cristão ou um muçulmano. O “Deus” que me interessa é um Deus mais “filosófico” (ou mesmo “teológico”) que um Deus santíssimo. Aí está a grande questão. A filosofia é, grosso modo, a possibilidade de relativizar as coisas, e para as religiões não há relativização possível. Ou é céu ou inferno, ou pecado ou virtude, ou Deus ou diabo, bem ou mal”. Baleiro diz em seu artigo que os evangélicos têm crescido no Brasil atualmente assim como aconteceu com a popularização do islamismo nos anos 60 e 70, e agora estão dispostos a carregar cada vez mais fiéis para suas religiões e “invadindo a internet como pragas do Egito” para divulgar seus” pensamentos morais totalitários” com comentários muitas vezes ‘infelizes’ nos blogs e sites de notícias. www.MidiaGospel.Com.br.br / www.estudosgospel.com.br / www.centraldepregadores.com.br . O cantor também criticou católicos, apesar de dizer que tem apreço pelos seus ritos e curiosidades por vidas de santos. Ele diz que o Papa Bento XVI não é carismático e que os católicos estão tentando trazer de volta seus fiéis através da Renovação Carismática e pela “espetacularização da fé através da missa-show e do sermão-palestra motivacional”. “Com esses questionamentos acerca da fé, me indago: estarei eu sendo um fundamentalista também?”, se questiona Baleiro, para quem a melhor definição para o Deus dos cristãos e muçulmanos é a que o filósofo Nietzsche propôs: “Deus está morto”. -------------------------------------------------------------------------------- Artigo da Revista IstoÉ -------------------------------------------------------------------------------- Fundamentalistas Todo fundamentalismo é perigoso, seja quando se trata de religião, política, economia, nacionalismo ou até em temas "prosaicos" como futebol e música. Não creio em Deus. Pelo menos não da mesma forma que um cristão ou um muçulmano. Tenho apreço pelos ritos católicos e curiosidade por vidas de santos, isso por ser um amor aprendido na infância – e amores da infância são (quase) eternos. O “Deus” que me interessa é um Deus mais “filosófico” (ou mesmo “teológico”) que um Deus santíssimo. Aí está a grande questão. A filosofia é, grosso modo, a possibilidade de relativizar as coisas, e para as religiões não há relativização possível. Ou é céu ou inferno, ou pecado ou virtude, ou Deus ou diabo, bem ou mal. Seja como for, religião é um assunto que me interessa. E que ultimamente me preocupa. Porque noto que as religiões estão todas se tornando um tanto fundamentalistas (e não só o islamismo, como já é sabido). Todo fundamentalismo é perigoso, seja quando se trata de religião, política, economia, nacionalismo ou até em temas “prosaicos” como futebol e música (conheço alguns “fundamentalistas de mesa de bar”, aqueles sujeitos de opinião irredutível que têm a convicção dos crentes e a falta de humor dos fanáticos). Os fundamentalistas querem a volta à barbárie, querem subtrair da humanidade todas as suas conquistas, quando o único futuro possível do mundo – se é que há um – parece ser o culto à civilidade, a busca da democracia (mesmo que esta seja uma busca utópica) e o respeito e a tolerância às escolhas dos outros. Um mundo próximo do ideal seria um mundo onde todos pudessem vivenciar seus credos e convicções sem o barulho insano e cego das urbas, sem a sanha fundamentalista dos grupos e doutrinas. Mas isso parece cada vez mais longe. Entre os anos 60 e 70, muitos americanos se converteram ao islamismo, entre eles personalidades pop como o lutador Classius Clay e o cantor Cat Stevens. Isso ajudou bastante a difundir a doutrina islâmica mundo afora. Era charmoso, com uma certa tinta contracultural até. Naquela altura, ninguém imaginaria que a religião islâmica seria a máquina de morte em que se transformou hoje. Hoje também evangélicos às pencas, dispostos a carregar mais ovelhas para seu rebanho, invadem a internet como pragas no Egito para difundir seu pensamento moral totalitário em comentários nem sempre felizes ao pé de blogs e sites de notícias. E os católicos buscam, com a Renovação Carismática e sob o comando de um papa sem carisma, a volta dos fiéis pela espetacularização da fé através da missa-show e do sermão-palestra motivacional. A falência das liturgias e o avanço de uma visão fundamentalista do mundo são sintomas do que Nietzsche, não por acaso um filósofo, decretou bem antes de nós, com a certeza de um crente: “Deus está morto.” Com esses questionamentos acerca da fé, me indago: estarei eu sendo um fundamentalista também? Fonte: Verdade Gospel Artigo na Revista

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

APOCALIPSE:ONU PROPOE MOEDA UNICA

A Conferência da Organização das Nações Unidas para o comércio e desenvolvimento (UNCTAD), avalia a possibilidade de substituir o euro e o dólar por moeda global única. A UNCTAD pediu esta semana uma reforma abrangente, pois seus estudos mostram que o Brasil gastou mais do que os EUA e outros países ricos em estímulos à economia, considerando a proporção do PIB. A ONU propõs a criação de uma nova moeda global única que protegeria os mercados emergentes da especulação financeira. Por sua vez, a UNCTAD lançou uma hipótese real da criação de um tipo de banco central global, que emitiria uma moeda de reserca ‘artificial’. Uma idéia parecida, já teria sido proposta em 1944 e se chamaria ‘bancor’, mas não teve apoio na época. www.MidiaGospel.Com.br.br / www.estudosgospel.com.br / www.centraldepregadores.com.br . “Há uma possibilidade de que os países concordem em trocar suas moedas atuais por uma nova. Esta moeda global única teria como lastro uma cesta de divisas de todos os membros”, explica o relatório da entidade. A nova moeda auxiliaria a ajustar os desequilíbrios nos balanços de pagamento dos países, embora eles continuassem emitindo suas próprias divisas. Apesar de vários países, incluindo China e Rússia, já terem sugerido substituir o dólar como moeda de reserva mundial, esta é a primeira vez que uma grande instituição multinacional apoia a sugestão. Para os especialistas em escatologia, uma economia global unificada, sem papel-moeda, é necessária para cumprir a profecia de Apocalipse 13:16-18.

sábado, 19 de novembro de 2011

Sexualidade segundo a a biblia

Nosso Salvador Este Jesus é a pedra que vocês, construtores, rejeitaram, e que se tornou a pedra angular. - Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos. Atos 4. 11 e 12 (nvi) Muitas pessoas reagem negativamente ao fato de não existir um outro nome além do de Jesus ao qual possam clamar por salvação. Mas isto não foi algo que a igreja decidiu, foi o ensinamento do próprio Senhor Jesus Cristo (Jo. 14. 6). Tendo em vista que Deus designou a Jesus para ser o Salvador do mundo, ninguém mais pode ser igual a Ele. Os cristãos devem ter a mente aberta para muitos assuntos, porém não devem questionar por intermédio de quem somos salvos do pecado, afinal, nenhum outro mestre religioso poderia morrer por nossos pecados; nenhum outro veio à terra como o único Filho de Deus; e nenhum outro ressuscitou dos mortos. Nosso foco deve estar em Jesus, que foi dado pelo Pai como mediador, a fim de que o homem pudesse ter um relacionamento eterno com Deus. Não existe qualquer outro nome ou caminho! (beap) Nosso Senhor Pois, na cidade de Davi, vos nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor. Lucas 2. 11 (arc) Na ocasião do seu nascimento, Jesus é chamado "Salvador". - (1) " Como Salvador, veio nos libertar do pecado, do domínio de satanás, do mundo ímpio, do medo, da morte e da condenação pelas nossas transgressões (ver Mt. 1. 21 nota). " (2) " O Salvador também é "Cristo, o Senhor". Foi ungido como o Messias de Deus, e o Senhor que reina sobre o seu povo (ver Mt. 1.1, nota sobre o nome de Cristo). Ninguém pode ter Cristo como Salvador, enquanto o recusar como Senhor. (bep) Deus conosco Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e Ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco). Mateus 1. 23 (ara) Jesus seria chamado de Emanuel (?Deus conosco? ou ?Deus está conosco?), como fora predito pelo profeta Isaías (Is. 7.14). Jesus era Deus em carne; deste modo, Deus estava literalmente entre nós, ?conosco?. Pelo Espírito Santo, Cristo está presente hoje, na vida de cada crente. Talvez nem mesmo o próprio profeta Isaías tenha compreendido, completamente, a dimensão do significado do termo Emanuel. (beap) Nosso Mediador Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem. I Timóteo 2. 5 (ara) Boa parte da população vive enganada a esse respeito. Especialmente nas horas de dificuldade, muitas são as pessoas que apelam para qualquer coisa para resolver um problema. As possibilidades são diversas. Há quem acredite que espíritos, santos, duendes, anjos e até meros seres humanos podem servir de mediador entre Deus e o homem. Felizmente, não há ?burocracia? nas coisas espirituais! Podemos ir diretamente a Deus por meio de Jesus Cristo. A Bíblia é muito clara: ?há um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem?. (bee) Nosso Sumo Sarcedote Pelo que, irmãos santos, participantes da vocação celestial, considerai a Jesus Cristo, apóstolo e sumo sacerdote da nossa confissão. Hebreus 3. 1 (arc) Acima de todos os ?enviados? por Deus aparece o Filho, que é divino e preexistente, que se encarnou e que, tendo sido glorificado, se tornou o nosso Sumo Sacerdote. Na pessoa de Cristo é que temos, supremamente, a mensagem de Deus. A morte expiatória de Cristo salvou os homens dos temores da morte. Ao morrer, ele devorou a própria morte, e agora confere a vida eterna ao seu povo. Por isso mesmo, aquele que se afasta do Sumo Sacerdote celeste nunca encontrará acesso a Deus, não havendo intermediário em qualquer outro sacerdote ou sistema religioso. (nti) Nosso Advogado Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo. I João 2. 1 (arc) Para as pessoas que estão se sentindo culpadas e condenadas, João oferece o restabelecimento da certeza. Elas sabem que pecaram, e satanás (chamado de ?acusador? em Ap. 12. 10) está exigindo a pena de morte. Quando você se sentir assim, não desista da esperança ? o melhor advogado de defesa do universo está pleiteando a seu favor. Jesus Cristo, seu Advogado, seu defensor, é o Filho do Justo Juiz. Ele já sofreu a penalidade em seu lugar. Você não pode ser julgado por um processo que está terminado. Unido a Cristo, você está tão seguro quanto Ele. Não tenha medo de pedir a Cristo para pleitear a sua causa ? Ele já a venceu (ver Rm. 8.33,34; Hb. 7.24,25). (beap) Nossa Esperança Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, por ordem de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, a nossa esperança. I Timóteo 1. 1 (nvi) Em Cristo é que se concentra a esperança da vida eterna, sendo Ele o seu único mediador. É verdade que a salvação não somente é remota e extremamente difícil para os homens (pois para eles é impossível se salvarem a si mesmos) mas, na pessoa de Cristo, os homens recebem graça divina e ajuda, contanto que queiram arrepender-se e confiar na eficácia eterna do sangue expiatório de Cristo, pois o resto Deus fará. (nti) Autor: Pr. João da Cruz Parente Via: www.estudosgospel.com.br

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Beni Him em manaus


Seis Regras Para Jovens Cristãos

1. Jamais despreze a oração diária. E, quando orar, lembre que Deus está presente ali, ouvindo suas orações. "sem fé é impossível agradar a Deus" (Heb 11;6). 2. Jamais menospreze a leitura diária das Escrituras. E, quando ler, lebre que Deus está falando a você; portanto, precisa crer e agir de acordo com o que Ele diz. Acredito que toda apostasia começa em se negligencia estas duas regras "Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna; e são elas que dão testemunho de mim;"(João 5:39). 3. Jamais passe um dia sem fazer algo para Jesus. Todas as noites, medite sobre aquilo que Ele fez por você e pergunte a si mesmo: "O que estou fazendo por Ele?" "Vós sois o sal da terra" (Mat. 5:13-16). 4. Se você está em dúvida acerca de algo ser correto ou errado, dirija-se ao seu quarto, dobre seus joelhos e peça a bênção de Deus sobre aquilo "E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. Se você não puder faze-lo, aquilo é algo errado" (Col. 3:17). Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque o que faz não provém da fé; e tudo o que não provém da fé é pecado." (Rom 14:23). 5. Jamais copie seu cristianismo de outros cristãos ou argumente que tal pessoa faz isto ou aquilo e, por conseguinte, você também pode faze-lo "pois não ousamos contar-nos, ou comparar-nos com alguns, que se louvam a si mesmos; mas estes, medindo-se consigo mesmos e comparando-se consigo mesmos, estão sem entendimento." (II Cor 10:12). Pergunte a si mesmo: "como o Senhor Jesus agiria em meu lugar?" e esforce-se para segui-Lo "Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para a retomar." (João 10:27). 6. Jamais creia naquilo que você sente, se contradiz a Palavra de Deus. Pergunte a si mesmo: "O que eu sinto é verdadeiro, sendo confirmado pela Palavra de Deus?" Se ambos não podem ser verdadeiros, creia em Deus e acredite que seu coração está mentindo "De modo nenhum; antes seja Deus verdadeiro, e todo homem mentiroso; como está escrito: Para que sejas justificado em tuas palavras, e venças quando fores julgado." (Rom 3:4); "Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê, mentiroso o faz, porque não crê no testemunho que Deus de seu Filho dá." I João 5:10-11). 

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Livre Arbítrio

Algumas considerações sobre um assunto que é um campo de batalha teológico há vários séculos. Agora que estou ficando mais velho freqüentemente vejo meu pai, que já faleceu há muito tempo, no espelho ao me barbear, e também algumas vezes quando faço uma pausa para refletir sobre minhas atitudes e ações, a "imagem" de meus pais é claramente discernível. Embora eu aprecie parte do DNA que eles transmitiram para mim, minha mulher pode confirmar que eu seria uma pessoa mais agradável se algumas dessas características genéticas estivessem ausentes! Mas independente do quanto eu tente me renovar, acho virtualmente impossível fazer alterações significativas em minha personalidade, e é somente por meio da vigilância constante que consigo suprimir algumas de minhas deficiências mais evidentes. Portanto, minha pergunta é esta: Naqueles casos em que tentei mudar para melhor, foi minha vontade realmente livre no esforço? Embora ninguém tenha torcido meu braço para me forçar, foi a motivação totalmente interna e sem qualquer coerção? Ou tenho de admitir que as críticas e comentários negativos recebidos interferiram em minha zona de conforto, de modo que meu motivo para corrigir o problema foi egoísta? Em outras palavras, não fui virtualmente pressionado a fazer um esforço para me tornar mais aceitável aos outros? Se vivêssemos em total isolamento, nossa vontade seria livre para fazer aquilo que vem naturalmente. O egoísmo e outras predisposições genéticas poderiam ser alegremente ignoradas porque a única pessoa que teríamos de agradar é a de número 1! Mas como o monasticismo é contrário à natureza humana, nós nos agrupamos em sociedade e as centelhas aparecem à medida que nossos egos entram em conflito! Os elementos internos que literalmente constituem quem somos e operam além do nosso controle movem-nos em padrões previsíveis tão involuntários quanto a respiração. Assim, a capacidade de alguém exercer sua vontade é claramente limitada e gera uma questão legítima sobre se a definição de "livre" pode tolerar limitações. "De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade." [Filipenses 2:12-13]. Por que precisaria minha vontade — minha "força" — ser ignorada e resistida? Porque sou um pecador por natureza e esse princípio foi confirmado pelo rei Davi quando declarou: "Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe." [Salmos 51:5]. Meu amigo, não sou um pecador por que peco. O fato é que peco porque sou um pecador! Nasci pecador e enquanto permanecer neste corpo frágil criado do pó, o pecado terá um papel na definição que quem sou. Portanto, independente de quão poderosamente eu tente agir da forma contrária, todos esses esforços de minha parte não podem mudar minha natureza mais do que um leopardo pode mudar suas manchas ou um etíope mudar a cor de sua pele. (Jeremias 13:23) Somente Deus pode me fazer ser uma pessoa melhor. Contrariamente ao que tem sido ensinado por alguns pregadores com mais zelo do que conhecimento, o novo nascimento não elimina nossa natureza pecaminosa e qualquer pessoa com um mínimo de bom senso deve ser capaz de discernir o fato que todos os cristãos continuam a pecar após serem salvos! Um estado "técnico" de perfeição sem pecado para o cristão é alcançado por meio da justificação por um Deus Santo — um decreto jurídico que nos declara perfeitos à vista de Deus — embora em termos práticos do dia a dia ainda permaneçamos pecadores merecedores do inferno enquanto estamos deste lado do céu! A razão por que muitos estão confusos com relação a esse assunto é por que eles realmente não compreendem a definição teológica de pecado — o que, falando em termos simples, envolve qualquer falha em atingir o padrão de perfeição de Deus! "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus." [Romanos 3:23]. Se em alguma área de sua vida que você não é tão perfeito quanto o próprio Deus, você "errou o alvo" e isso é exatamente o que a palavra grega hamartia — traduzida como "pecado" em todo o Novo Testamento — realmente significa. Quando entendemos esse conceito, a compreensão de quão distantes estamos de alcançar o padrão de perfeição de Deus deve nos deixar envergonhados e nos fazer cair de joelhos. Portanto, embora seja impossível estar sem pecado, precisamos fazer todos os esforços para pecar menos. Então, somente com a ajuda do Espírito Santo podemos fazer qualquer avanço em direção a esse ideal. Por esse motivo, o Espírito Santo dirigiu o apóstolo Paulo a escrever sobre sua própria luta contra o pecado após sua conversão: "E eu, nalgum tempo, vivia sem lei, mas, vindo o mandamento, reviveu o pecado, e eu morri. E o mandamento que era para vida, achei eu que me era para morte. Porque o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, me enganou, e por ele me matou. E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom. Logo tornou-se-me o bom em morte? De modo nenhum; mas o pecado, para que se mostrasse pecado, operou em mim a morte pelo bem; a fim de que pelo mandamento o pecado se fizesse excessivamente maligno. Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado. Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço. E, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim. Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem. Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim. Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros. Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte? Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado." [Romanos 7:9-25]. Como declarei em artigos anteriores, existem somente dois tipos de pecadores: os perdidos e os salvos. Pela graça de Deus somente, tenho a felicidade incomparável de estar entre os últimos. Embora como um cristão eu não possa atingir a perfeição de não pecar mais, posso, todavia, agradar a Deus tendo a disposição de tentar evitar o pecado e viver a vida cristã em sua plenitude. O que quero enfatizar neste ponto é que antes de ser salvo, eu não poderia agradar a Deus, por mais que eu tentasse, por que minha vontade era totalmente incapaz: "Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus." [Romanos 8:8]. Se há alguma dúvida sobre o que Paulo quis dizer com "estar na carne ", isto é explicado no verso 9: "Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele." [Romanos 8:9]. A expressão "estar na carne" refere-se às pessoas em quem o Espírito Santo não reside — as massas de pessoas perdidas e não-regeneradas. Enquanto elas permanecem nessa condição é impossível agradarem a Deus ou serem aceitas por Ele! Então, para tornar as coisas muito piores, encontramos mais informações em 1 Coríntios com relação àqueles que estão perdidos: "Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente." [1 Coríntios 2:14]. Essas passagens dizem claramente que os perdidos não podem agradar a Deus e nem compreender a mensagem do evangelho e, quando acrescentamos o princípio bíblico que eles estão espiritualmente mortos (Romanos 6:23; Efésios 2:1,5; Colossenses 2:13), o gorila de 350 Kg na sala é este: como eles podem mudar sua situação se não conseguem enxergar o fato que estão espiritualmente mortos e que suas almas estão correndo o risco de irem para o inferno? "Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus." [2 Coríntios 4:4]. Com tudo isto em vista, não é uma total contradição propor que aqueles que são escravos do pecado e de Satanás tenham a liberdade de desejar qualquer coisa de uma natureza espiritual? "Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado." [João 8:34]. "Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência." [Efésios 2:2]. Como nosso subtítulo sugere, mesmo após a passagem de vários séculos (quase dois mil anos), o princípio do livre arbítrio retém o potencial de produzir acalorados debates dentro da cristandade. A vasta maioria dos cristãos evangélicos hoje aprendeu que o homem não-regenerado tem livre arbítrio e, portanto, possui a capacidade de mudar sua mente a respeito de Cristo. Mas, ao encerrar, gostaria respeitosamente de pedir que você considere o seguinte: Uma vez que a Palavra de Deus diz que uma pessoa perdida não pode agradar a Deus, como poderia esse indivíduo mudar de idéia a respeito de Jesus Cristo, quando uma mudança genuína sem dúvida agradaria a Deus? E como é possível que essa vontade possa ter qualquer relevância devido ao fato que o indivíduo está espiritualmente morto? Adão e Eva originalmente possuíam a capacidade de agradar ou desagradar a Deus (a definição teológica do termo "livre arbítrio") , mas acabaram perdendo a capacidade de agradá-Lo. Portanto, parece para mim que Deus é quem salva após o conselho de Sua vontade — não a vontade de um escravo do diabo, alguém que está espiritualmente morto e vivendo separado de Deus. (Efésios 4:17-19) "Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade." [Efésios 1:4-5]. "Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça, que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência; descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, de tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra; nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade." [Efésios 1:7-11]. "Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece." [Romanos 9:16]. "Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas." [Tiago 1:18]. A enganação espiritual está ao nosso redor e, em minha opinião, o conceito do livre arbítrio continua a ter um papel relevante na pregação de uma "salvação fácil" que vemos hoje. Os pregadores estão usando métodos psicológicos calculados para fazer pressão sobre os perdidos por que estão convencidos que o único obstáculo para a salvação é a vontade obstinada que eles têm. Esses pregadores acreditam que a vontade possa ser revertida por meio da pregação (e da música) calculada para impactar as emoções e aumentar a probabilidade de que alguns perdidos mudem de idéia e aceitem a Jesus Cristo. Mas o problema com os pregadores que tentam fazer a obra do Espírito Santo é que a maioria das "decisões" acabam sendo feitas na cabeça e não no coração — um fato que o próprio homem que tornou essa teologia e esse tipo de pregação populares pouco mais de cem anos atrás — o evangelista Charles Grandison Finney, reconheceu e lamentou. Se há uma coisa de que nossas igrejas certamente não precisam é de mais joio no meio do trigo! Autor: Pastor Ron Riffe

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Como combater os efeitos do estresse

Estresse, do inglês stress. O dicionário diz: “Estresse é qualquer força exercida sobre um corpo que tende a comprimir ou alterar a sua forma”. O estresse pode ter causas interiores ou exteriores. Pode ser físico, químico, emocional resultando em tensão física ou mental. O estresse pode contribuir com certos problemas emocionais ou doenças, porém esses problemas ou doenças também podem causar estresse. Pode acabar sendo um círculo vicioso sugando a energia emocional e física da pessoa, levando-a a depressão, ou se já estiver deprimida, aprofundando-a. Podemos dizer que estresse é nossa resposta às pressões que desequilibram nossas vidas. O coração bate mais rápido, a pressão sobe, começamos a suar, a tensão muscular aumenta, a adrenalina dá um salto e mais gordura e açúcar são liberados no sangue como combustível preparando para uma ação imediata. Mas nem todo estresse tem efeitos tão óbvios. O estresse de uma auto-imagem negativa, um emprego onde não nos sentimos realizados, carências não atendidas, e trabalho que não conseguimos completar provoca tanto estresse e tanto dano quanto qualquer uma outra situação aguda e momentânea. O estresse em si não é danoso. De fato, estamos sempre sob alguma tensão e isto inicialmente nos impulsiona, nos motiva, nos estimula a produzir. Todavia, quando o estresse ultrapassa nossa habilidade de responder bem, nossa produtividade começa a cair e se transforma em aflição. Se não atendemos aos sinais de estresse, corremos perigo de doença e outros problemas emocionais. Muitas vezes, basta diminuir o ritmo, baixar um pouco as expectativas, reavaliar os alvos. Outras vezes é preciso ajuda profissional. É importante considerarmos que uma lei física e psicológica é que tudo sempre está procurando chegar ao equilíbrio ou manter o equilíbrio, chama-se “Princípio da Homeostase”. Quando nosso corpo se sente desequilibrado quanto à alimentação, ao exercício, ao descanso ou outras necessidades físicas, manda um recado à nossa mente. Esta mesma experiência acontece na área das necessidades emocionais. Quando alguma coisa está desequilibrada em nossos relacionamentos, em nossas emoções nossa mente manda um recado ao nosso corpo. Perdemos o sentido da harmonia e paz que indica equilíbrio e, quase sempre, acontece uma reação somática sob a forma de doença que pode ser de uma enxaqueca ao câncer. Muita gente se sente estressada por falta de visão clara de sua vida, suas metas, objetivos. Não ter clareza do que deseja, dos alvos a alcançar, das metas atingidas pode provocar estresse e ansiedade desmedidas. Ter uma expectativa equilibrada da vida e propósitos exeqüíveis pode colaborar na busca do equilíbrio. Reflita sobre seus hábitos. Todos eles. Se você come compulsivamente, há algo errado que precisa ser analisado. Se você tem dificuldade constante de conciliar o sono, precisa rever hábitos e comportamentos. Se há irritabilidade, insatisfações, inquietações sem causa aparente, angústia, palpitações, distúrbios no metabolismo ou qualquer outra coisa que não seja “normal”, é bom refletir e tomar atitudes que possam provocar mudanças positivas. Procure sentir prazer e alegria com pequenas coisas. Entusiasme-se com a vida. Cultive hábitos saudáveis e inclua momentos de intimidade com Deus. Leia a Bíblia todos os dias e ore. Jejue uma vez por semana. Freqüente os trabalhos de sua congregação regularmente. Não perca a Escola Dominical e os cultos de oração. Cultive a gentileza, a boa educação. Procure ser grato (a) a Deus e às pessoas que lhe são queridas. Seja leal, discreto (a), ponderado (a), sensato (a), equilibrado (a). E não esqueça de confiar em Deus. Lembre-se: Deus é fiel, perfeitamente bom e Todo-Poderoso! Autor: Régia Maria Carvalho Peixoto

quinta-feira, 3 de novembro de 2011